Pedido de ajuda...


Alguém pode ajudar este leitor?

Uma vez que não lhe sei dar uma resposta, pois é uma questão essencialmente legal?

"Sou casado faz 25 anos e meu casamento já desgastado há muito tempo. Tenho três filhos com idade entre 21 e 25 anos. Minha esposa saiu de casa em Junho de 2009 residindo bem próximo a minha casa. Ocorre que ela possui um outro companheiro, com quem passeia pelas ruas do bairro e adjacências, onde sou muito conhecido. Solicitei cópias de seus documentos para solicitar o divórcio consensual não obtendo êxito até o momento.

Por motivos a me preservar solicitei desde o inicio que ela não morasse perto de mim, pois há a sensação de certa provocação quanto a situação que vivo. Hoje não há como conviver próximo a ela, mas não sou dono da verdade nem quero viver à margem do que diz a lei. Só quero orientações de como posso obter esse divórcio já que ela não me entrega os documentos necessários e, talvez, relute em assinar documentos de cartório.

Há, ainda, a legislação do Fundo de Saúde do meu trabalho que diz que meus filhos perdem o direito ao plano caso deixem de viver sob as minhas expensas e, mesmo sendo maiores de idade a mais velha, 25 anos é estudante universitária tendo direito além dos descontos da Universidade possui o direito ao atendimento médico-odonto-hospilar. O mesmo ocorre com outro filho de 21 anos que é portador do Lúpus, doença que lhe obriga ao uso permanente de medicamentos e os mesmos atendimentos médicos anteriormente descritos. Pergunto se há a possibilidade de me responsabilizar pelos dois e, se mesmo, contra vontade de alguns deles posso solicitar que fiquem comigo e, como faço para que o processo seja agilizado nas esferas jurídicas?

Grato"

3 comentários:

contato@sexologiajf.com.br disse...

Olá, Fernando!
Parabéns pelo seu site, está fazendo muito sucesso! Achei um detalhe interessante neste caso. Embora a orientação que pede seja jurídica, creio que o internauta precisa de um apoio psicológico, pois a situação é bastante intensa e, embora diga que quer evitar confrontos, a expectativa de obrigar os filhos a ficarem sob sua tutela pode ser uma forma de garantir legalmente uma relação de parentesco. Acho que ele deve refletir sobre a idéia de que não existe ex-filhos.
Abração,
M.Lúcia Beraldo

Fernando Eduardo Mesquita disse...

Olá Lúcia,

obrigado pela sua mensagem. Estou totalmente de acordo com o que diz. Uma vez que este amigo é do Brasil, penso que ele poderia aproveitar o seu contacto de email, já que o deixou disponivel, para que lhe dê algumas orientações mais precisas sobre quem o poderá ajudar. Que lhe parece?

Abraço,

Fernando Eduardo Mesquita

Atrevida disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.