Sexo: Curtir no Verão, procriar no Inverno


As relações sexuais aumentam com as férias e o calor, a julgar pelas vendas de preservativos e pílulas do dia seguinte, que atingem o pico em Agosto. Mas quando se trata de procriar, os portugueses preferem o quente do cobertor, nos meses mais frios do ano.

A ideia de que o Verão é mais propício para a actividade sexual não é um mito e até é nesta altura que os homens com disfunção eréctil conseguem mais desempenhos, segundo o director do serviço de Urologia do Hospital de São José, em Lisboa.

«Não há nenhum fundamento fisiológico para aumentar a apetência sexual no Verão, mas se as pessoas estão de férias, com menos stress e mais tempo para comunicar, é natural que tenham mais relações sexuais», explica Vítor Vaz Santos.

Em termos puramente fisiológicos, há variabilidade das hormonas ao longo do dia, no caso do homem - que atinge o pico da testosterona de manhã - e ao longo do mês, no caso da mulher, que tem maior apetência sexual entre o 14º e o 18º dia do ciclo menstrual, altura que coincide com o seu período mais fértil.

«Enquanto o homem é como uma máquina simples que funciona ligando-se no botão on, a mulher é como um amplificador complicadíssimo, cheio de botões que estão ligados uns aos outros. Não há um ciclo para o homem ter relações sexuais: desde que esteja fisiologicamente bem, está sempre disponível e com desejo. A mulher é que não», adianta o especialista em medicina sexual.

Mas, sublinha, ao contrário do que acontece com os animais, a sexualidade humana ultrapassa largamente as questões hormonais, sendo muitos e variados os factores que contribuem para a frequência das relações.

Certo é que nas férias de Verão disparam as vendas de preservativos: em Agosto do ano passado foram comercializadas cerca de 77 mil caixas, mais 15 mil do que a média dos restantes meses.

De acordo com dados da consultora IMS Health, divulgados à agência Lusa, também a pílula do dia seguinte regista um grande aumento no mesmo período, o tradicional mês de férias para a maioria dos portugueses, com cerca de 23 mil embalagens vendidas em Agosto de 2007, mais quatro mil do que a média.

«As mulheres sentem-se, em geral, fisicamente mais atractivas, o que tem mais a ver com o contexto do que com questões hormonais. Muitas planeiam as férias já com a expectativa de ter uma aventura e saem em excursões deliberadamente sozinhas ou com pequenos grupos de amigas, levando já a contracepção planeada», relata o sexólogo Júlio Machado Vaz.

Segundo o psiquiatra, há mulheres que não estão sexualmente activas nos períodos de trabalho, mas prevêem estar durante as férias, optando, por isso, por usar a pílula do dia seguinte, e não a pílula normal, a contar com uma «curte sem consequências».

«Não acontece entre os casais, mas por exemplo no caso dos engates de praia. Há uma maior possibilidade de relacionamento na época turística e o sexo surge inesperadamente», corrobora Santinho Martins, presidente da Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica.

Mas se na cabeça de muitos o Verão é sinónimo de relações mais passageiras, já o Inverno é a altura escolhida pelos casais portugueses para pensar na família e conceber os filhos.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, relativos ao período entre 2003 e 2007, Setembro e Outubro foram os meses em que nasceram mais crianças, concebidas em Dezembro e Janeiro.

Abril é, pelo contrário, a altura em que nasceram menos bebés, o que significa que Julho é o mês mais «fraco» no que toca à procriação.

«Há muitos anos dizia-se que o sexo era a televisão dos pobres. No Inverno os dias são mais curtos, a temperatura baixa e os casais ficam mais tempo em casa e vão para a cama mais cedo. Se calhar não há tantas outras coisas para fazer...», sugere Júlio Machado Vaz.

In, Diário Digital, 17 Agosto 2008
Enviar um comentário