Os beneficios do riso



 
"Rir é o melhor remédio"


Certamente que já ouviu dizer que “rir é o melhor remédio”. Rir é um comportamento que nos aproxima das outras pessoas e ajuda a sermos aceites. Embora tendemos a associar o riso ao humor, alguns estudos revelam que em mais de 80% dos casos o que nos faz sorrir é a polidez, o desejo de ser aceites socialmente, a ironia e a tensão.

Após vários anos de pesquisa, sabe-se hoje que não há uma área cerebral dedicada exclusivamente ao riso. Acredita-se, por exemplo, que o ato físico de rir seja provocado por um mecanismo no tronco encefálico que modifica a respiração, garantindo que os sons de uma boa gargalhada sejam produzidos. O curioso é que essa região (a mais antiga do sistema nervoso) regula funções básicas, o que leva a crer que rir foi fundamental para a inclusão dos nossos ancestrais em grupos – e, assim, terem mais possibilidades de sobreviver e propagar os seus genes. Já o humor mais subtil e os jogos verbais requerem o envolvimento do lobo frontal, desenvolvido posteriormente nos humanos: exames de ressonância magnética mostram que essa área é ativada quando as pessoas acham piada a algo, indicando que a compreensão mais refinada do humor é um sinal evolutivo.

Um sorriso verdadeiro no rosto dos outros é um sinal inconfundível de bem-estar e felicidade. Isto porque felicidade e sorriso começam no cérebro, no mesmo lugar. Faça algo bem feito, receba um elogio, um carinho, ou ache piada a uma anedota, e o seu sistema cerebral de recompensa encarrega-se que as regiões cerebrais, responsáveis pelos movimentos automáticos (ou seja, que fazemos sem precisar pensar), estampem um belo sorriso no seu rosto. Estas regiões tratam de elevar os cantos da boca, relaxar as sobrancelhas e, o mais importante, apertar levemente as pálpebras, contraindo os músculos orbiculares dos olhos (o sinal mais evidente do sorriso genuíno).

E, como se não bastasse, determinadas zonas cerebrais que são ativadas quando vemos uma pessoa bonita, ficam ainda mais ativas quando essa pessoa sorri. O sorriso é, portanto, o tratamento de beleza mais rápido, barato e democrático que a natureza inventou. Além disso, diversos estudos têm revelado que as pessoas tendem a lembrar-se mais dos rostos sorridentes que de faces neutras.

O incrível é que sorrir pode ser o suficiente para nos sentirmos bem. O truque funciona mesmo! Pelo menos é o que revelam alguns atores que dizem ter uma sensação de bem-estar, que não conseguem explicar, quando exercitam o músculo orbicular dos olhos. A neurociência tenta explicar: o sorriso genuíno ativa o córtex da ínsula, região do cérebro responsável pelas sensações subjetivas como é o caso do bem-estar.

Alem disso, um sorriso genuíno é contagiante, e espalha a felicidade a quem está por perto. Através de neurónios espelho, que nos fazem repetir automaticamente ações à nossa volta, ver um sorriso no rosto de outra pessoa activa as mesmas áreas do cérebro responsáveis pelo seu próprio sorriso, inclusive a ínsula. Como o cérebro imita o alheio sem fazer esforço, ver alguém a sorrir é suficiente para causar uma sensação de boa disposição.

Já o sorriso forçado, aquele que, por exemplo, fazemos para tirar uma fotografia, não funciona nem convence. Ele parte de regiões do cérebro que comandam movimentos voluntários. Portanto, não “comunica” ao resto do cérebro que aconteceu algo de particularmente bom. Ou seja: você pode até sorrir por fora, mas o seu cérebro sabe que você não está feliz por dentro.


Adaptado da revista “Mente e Cérebro”


 
Enviar um comentário