Dependencia Emocional


Se sente que não consegue viver sem a pessoa amada e que a sua vida não faz sentido sem ela por perto, este artigo é para si!

Cada relação tem as suas próprias características, regras, costumes, hábitos, e formas de expressão. Em algumas ocasiões, pode suceder que uma das pessoas experimente uma necessidade afetiva extrema com o seu parceiro, mostrando um padrão de submissão e idealização do mesmo. 

São pessoas que mesmo sofrendo ao lado dos seus companheiros permanecem presas nessas relações. Que aturam traições, desprezo, acusações ou são humilhadas das mais diversas formas. 

A pergunta que fica é por que motivo não conseguem separar-se de alguém que só lhes causa sofrimento? 

Se conhece alguma pessoa dependente de uma substância (droga, álcool, tabaco, etc), provavelmente terá notado que quando se vê longe dessa substância ela fica ansiosa, triste, desanimada e com a sensação de que está desprotegida e indefesa. 

Os dependentes emocionais passam exatamente pelos mesmo sintomas, porém ao invés de substâncias temos uma pessoa que pode ser um cônjuge, namorado(a), amigo(a) ou familiar.

A dependência emocional é um problema muito sério que afeta a maneira como uma pessoa se relaciona com o meio ambiente, não apenas com o parceiro - apesar de ser o cenário mais comum - e também com amigos e familiares. Querer não é mau, mas quando queremos em excesso e quando absorvemos demasiado o outro e não conseguimos fazer nada sem essa pessoa, começamos a ter uma experiência de amor de forma diferente. 

Origem


As pessoas que sofrem de dependência emocional estabelecem relações de conflito e de natureza viciante no seu meio envolvente, devido a vários factores, entre os quais destaca-se o meio familiar problemático que produz nessa pessoa carências e necessidades de afeto exageradas. A extrema insegurança e a imaturidade emocional também desencadeiam este tipo de comportamentos.

Sinais gerais


Uma pessoa emocionalmente dependente só costuma mostrar sinais claros de um comportamento perturbador quando se relaciona no seu meio ambiente, em especial com os seus parceiros. Há uma necessidade excessiva de afeto, idealiza-se a outra pessoa como sendo perfeita, o que leva a uma atitude submissa em que se aceita qualquer tipo de humilhação. Há também um medo horrível de solidão e rejeição, pelo que preferem estar numa relação tempestuosa do que sozinhos.

Envolvem-se facilmente e intensamente


Uma das características mais claras de um dependente emocional é a sua necessidade extrema de afeto, e por isso conseguem envolver-se rapidamente e de forma muito intensa com qualquer pessoa que manifeste interesse, o que faz com que as suas relações se convertam numa montanha russa de emoções. Conseguem idealizar de tal forma a outra pessoa ao ponto de apagarem as suas qualidades e atribuírem as imaginárias, por isso este tipo de pessoas geralmente vive prematuramente fases da sua relação, que pouco tempo depois de terminada a união ficam desolados.

Não faço nada sem o outro


Quem é emocionalmente dependente não vê claramente a linha que marca o início do seu espaço e o início do espaço da outra pessoa, para este tipo de pessoas está tudo misturado, por isso é difícil aceitar que o seu parceiro queira fazer atividades sozinho, esta situação gera uma enorme insegurança e desconforto. Tudo deve ser feito com a outra pessoa e, cai novamente no padrão de vida com muita intensidade na relação, estas pessoas não suportam a ideia de ficarem sozinhas e também não entendem o desejo da outra pessoa.

Problemas de casal


Há uma tendência nos dependentes emocionais para escolher parceiros com conflitos de todos os géneros: vícios, problemas psicológicos ou comportamentais, pessoas com traumas ou com vidas muito dramáticas, isto vem da necessidade de se sentir útil e valorizado estendendo a mão a alguém que precisa da sua ajuda, de alguma forma "salvá-lo". O problema é que esta dupla transforma-se numa bomba relógio que leva inevitavelmente a uma relação conflituosa.

A saída


A dependência emocional é um problema sério que requer atenção e ajuda, se pretender ter uma vida mais estável. Este comportamento pode desencadear vários tipos de problemas de saúde tanto físicos como mentais, por isso é recomendável consultar um especialista o quanto antes. Se considera que é uma pessoa emocionalmente dependente, veja algumas recomendações que podem ajudar a superar essa situação.

Instruções
1) Recupere o seu espaço -  é importante que procure recuperar aqueles espaços pessoais e individuais. Reúna-se com amigos sem o seu companheiro/a, faça atividades que lhe dão prazer.

2) Realismo -  evite idolatrar o seu companheiro/a, ele é um ser humano, e como tal, tem defeitos e virtudes. Nem tudo o que faz e diz é correto. Deve trabalhar a humanização do seu companheiro para poder superar a dependência emocional.

3) Expressão -  o que você pensa e diz é igualmente importante, tal como o que o seu companheiro pensa. Quando não estiver de acordo com algo, diga-lhe. Não aceite tudo o que ele diz com medo de o perder. Através das diferenças, também se constrói e consolida uma relação.

4) Trabalhe a sua autoestima - uma baixa autoestima é um dos fatores que conduz à dependência emocional, é por isso, que deve trabalhar a sua autoestima. Deve valorizar-se e cuidar mais de si.

5) Repensar -  tome um tempo para pensar no seu relacionamento. Reflita sobre como era antes de o conhecer e todas as coisas que abdicou pela relação. Talvez seja tempo de fazer umas mudanças na relação para que ambos se sintam melhor.

6) Faça terapia -  se considera que não pode fazer estas mudanças por si só, vá a um terapeuta para que o oriente neste processo.




                                                                                  Adaptado do original de Sara Viega em umcomo

Enviar um comentário